Redação Nota 1000
-->
Postado: 1 de fevereiro de 2019|Nenhum Comentário

Pense que a avaliação externa da sua escola tem a mesma funcionalidade de uma auditoria contratada para melhorar a saúde financeira de uma empresa. A ideia é a mesma– profissionais de fora da instituição se debruçam no resultado de desempenho dos alunos para fazer uma análise exata das deficiências a serem trabalhadas, fornecendo maior embasamentos para os gestores. Pensando nisso, destacamos 5 pontos que mostram como a ferramenta pode ser positiva para os alunos, pais e gestores.

1. Uma avaliação mais profissional

Dá uma visão distanciada e potencialmente mais crítica do funcionamento e dos processos pedagógicos. Pode ser realizada com o auxílio de ferramentas elaboradas e uso intensivo de tecnologia. Fornece subsídios concretos para processos de mudança, o que gera uma melhor aceitação do corpo discente e docente.

2. Mede mudanças ao longo do ano

Não se trata apenas de uma avaliação pontual. É possível acompanhar a evolução do desempenho dos alunos com os resultados das provas do começo e do fim do ano. Em outras palavras identifica as deficiências e depois testa se as soluções adotadas pela escola foram eficientes ou se precisam de redirecionamento.

3. Melhora o desempenho em avaliações oficiais

Permite a escola testar com antecedência o desempenho dos alunos com base nos critério dos exames oficiais, caso do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Resultados ruins comprometem as instituições de ensino no mercado.  

4. Está associado a melhores resultados

Estudos  indicam que a avaliação externa está relacionada a redes e escolas com melhores resultados no ensino. Entre eles, destaca-se “O impacto da liderança dos diretores sobre os resultados dos alunos das escolas de ensino médio do estado do Rio de Janeiro”,  realizada pela Universidade de Nottingham em parceria com a Universidade Federal Fluminense. Os pesquisadores concluíram que os gestores de instituições bem-sucedidas incentivam o corpo diretivo a utilizar os dados da avaliação externa e interna no planejamento e nas tomadas de decisões.

5. Identifica desigualdades na rede de ensino público e privado

A avaliação externa é um meio de identificar desigualdades existentes inclusive entre as escolas.  Na rede particular, as escolas que adotam a ferramenta oferecem mais recursos aos pais para que avaliem o sistema de ensino oferecido. Na rede pública, identifica com maior transparência as deficiências e exemplos de conduta de uma gestão comprometida com  a qualidade – como é o caso da cidade de Sobral, no Ceará, que em 2018, foi a primeira colocada do país no Ideb, devido o desempenho do Ensino Fundamental e do 9º ano.

Desempenho das escolas municipais nacionais (%) no IDEB


(dados de 2018 comparados com os de 2015)

Se você já adotou a avaliação externa, compartilhe sua experiência com a Redação Nota 1000. Mas se tem dúvidas, escreva para o site, que faremos mais posts que atendam suas demandas.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *